Página 7

Dúvidas

Recebemos muitas dúvidas e, por isso, decidimos responder as principais. Por favor, antes de nos enviar uma mensagem, leia atenciosamente abaixo.

O autor

Eu amo ler e sempre quis ser escritor, muita gente diz que levo jeito. É possível?
Escrever exige dedicação. Se você quer ser escritor, precisa entender que nem sempre é um caminho fácil. Leia muito, pesquise bastante e se aproxime de outros autores. E o mais importante é criar uma rotina e um método de escrita. Tenha em mente que muitas vezes o seu livro, ainda mais se for o primeiro, pode não ser adequado. Não que você não seja bom ou que não exista exceções, mas o autor tem que reconhecer que pode estar errado, que talvez não seja o momento daquela história ser contada ou daquela forma. Muitos autores trabalham por anos em cima do mesmo original, saber deixá-lo de lado e pensar em algo novo pode ser uma saída.

Preciso ter um livro pronto ou pode ser só uma ideia antes de procurar agenciamento?
Para se submeter as submissões de originais da Página 7, o livro já deve estar pronto e devidamente revisado. Contudo, muitos agentes procuram autores que possuam potencial e não necessariamente já tenham a história escrita.

Preciso ser um autor experiente para ser publicado?
Não. Mas é preciso ter uma história com narrativa adequada para o meio editorial e que se conecte com o público alvo. Muitos autores novatos com grandes ideias, talentos únicos e originalidade estão conseguindo publicar seus livros.

Já tenho ideia de título e capa, como fazer?
Na maioria das vezes, o autor já pensa em todo o projeto de seu livro, mas não podemos pular etapas. A editora tem um peso grande na decisão de capa e título, afinal possui profissionais experientes na área, além da equipe do comercial que irá indicar o que é melhor ou não para as vendas. Obviamente que a opinião do autor deve ser levada em consideração, mas é um trabalho em conjunto.

Redes sociais importam?
Como a Página 7 trabalha exclusivamente com livros para jovens, manter as redes sociais atualizadas é importante. O número de seguidores e comentários pode até ajudar a chamar a atenção de editoras e profissionais do meio editorial. Quem trabalha com livros também fica de olho na forma como os autores se comportam e respondem os leitores nas redes sociais.

Não me sinto à vontade com alguém editando meu texto e dizendo o que mudar ou cortar, como posso lidar com isso?
Por mais difícil que seja ver alguém mexendo no seu trabalho, é de suma importância ter humildade e ouvir o agente e/ou o editor. Nenhum texto é perfeito, e é preciso trabalhar em conjunto para melhorar cada vez mais a história. Ter o apoio e a opinião de profissionais que entendem do que estão fazendo só irá ajudar o autor a evoluir e crescer em sua carreira.

O que fazer com a minha ansiedade?
Entendemos que é difícil passar por processos de análise e aguardar as respostas de agências e editoras. Contudo, quando o autor é insistente, ele pode acabar criando uma imagem negativa, mesmo que não seja intencional. Tome cuidado com isso.

Eu já fechei contrato com uma editora, ainda preciso de um agente?
Muita gente tem essa dúvida, o que mostra falta de conhecimento do mercado editorial. O agente é uma peça importante na transação contratual com uma editora, mas também participa do processo de produção e edição. Sem falar que irá acompanhar as prestações de contas e se o contrato está sendo cumprido de forma correta.

Por que autores agenciados já com a carreira consolidada ainda precisam de um agente?
A relação do agente/autor é uma parceria. Para escrever (e editar) é preciso ter confiança e segurança, então é comum que o autor e o agente se tornem amigos e criem uma relação pessoal. Além de todas as funções do agente, o autor poderá contar sempre com alguém que irá torcer e acreditar em seu trabalho, que entenderá o que ele quer para a sua carreira. Afinal o objetivo é publicar mais e mais livros, certo?

O original

Meu original está pronto, e agora?
Você terminou de escrever sua história e já revisou por si mesmo. O ideal é que tenha passado por uma revisão de qualidade, contratando alguém para fazer isso ou não. Editores e agentes não irão se interessar por originais que possuem erros ortográficos gritantes ou de semântica. É interessante pedir para outras pessoas lerem, talvez amigos que gostem de ler, e saber se eles comprariam a sua história se vissem em uma livraria. Contratar uma leitura crítica também é uma boa opção, pois o autor terá uma opinião profissional. Além disso, se o autor quiser uma resposta imediata dos leitores, pode publicar sua história em plataformas de leitura como o Wattpad, a Amazon ou em sites de fanfics.

Como enviar meu original? Arquivo ou papel?
Sempre em arquivo digital, de preferência em formato PDF. Imprimir um livro é ter centenas de páginas de papel, então imagine o agente ou o editor recebendo muitos envelopes todos os dias! Sem falar que é mais rápido e prático ler em e-readers, computadores e celulares. Contudo, procure no site das editoras e agências para saber como é o processo de envio de originais para não cometer erros.

Por que preciso revisar meu original?
Erros simples acontecem, e errar é humano, certo? Porém, quando o texto está confuso, sem semântica, com erros de concordância ou de coesão e coerência, isso não irá atrair a atenção de quem for avaliar. E não dará vontade de ler, mesmo que seja uma trama incrível. Assim, o autor perderá a oportunidade de ter o interesse de um profissional em publicar seu livro.

Preciso registrar meu original na Biblioteca Nacional?
É aconselhável registrar seu original, pois em caso de plágio é difícil provar que houve cópia quando só se tem a ideia, que é algo abstrato. Se o autor optar por postar sua história em plataformas de leitura, como o Wattpad, e-book em PDF, portais de fanfics e livros, é importante se assegurar e garantir os direitos da obra.

Quanto tempo demora para avaliar um original?
As editoras dão um prazo de 90 dias. Provavelmente pode acontecer de levar menos tempo, ainda mais se o agente tiver um contato direto e conseguir chamar a atenção do editor com o original em questão.

O agente

O que o agente faz efetivamente com o seu texto?
O agente vai apontar os pontos fortes e fracos da história, como em uma leitura crítica. Também irá discutir com o autor como melhorar o enredo e a narrativa, como deixar o livro mais adequado ao público alvo e ao mercado. Será que aquele protagonista deveria beber cerveja? Será que não seria melhor cortar tal personagem ou tal cena, ou então mudar a ordem de algum acontecimento? O clímax do final deve ser melhorado? Além dessa discussão, o agente também procura os furos e ajuda o autor a manter a ordem cronológica da história. Essa troca é a parte mais importante da relação do agente e do autor, pois um precisa confiar no outro. E, às vezes, o autor tem uma visão da sua história e não percebe que outras pessoas pensarão diferente do que ele imaginou primeiramente. E essa é a mágica dos livros: quando uma história é lida por outra pessoa, ela deixa de ser criação do autor e passa a ser de quem está lendo.

Como abordar um agente literário?
Por favor, não tente nos comprar com doces! Haha! E também não mandem mensagens, e-mails, recados, cartas etc. toda hora e todo dia. Principalmente se for postar algo e marcar dezenas de pessoas. Se o agente não é seu amigo, não faça esse tipo de coisa. Também é importante saber quem é o agente e o que ele já fez, uma pesquisa rápida ajudará nisso. No caso da Página 7, o site explica nossa conduta e tenta deixar claro como e com quem trabalhamos. Não envie o seu original logo de uma vez, se não foi pedido. O autor precisa saber antes se o agente tem interesse e pode ajudá-lo, muitas vezes a história não se encaixa no perfil profissional da agência. Em eventos, você pode abordar o agente e bater um papo, contar rapidamente sobre você e seu trabalho, se tiver cartão ou marcador de página com as redes sociais, é uma ótima forma de se fazer conhecido. O agente irá pesquisar depois se tiver interesse.

Como é a relação do agente com as editoras? E com os profissionais do meio editorial?
É imprescindível o agente ter uma ampla e diversificada rede de contatos. Da mesma forma, precisa entender o que cada editora publica e procura. O meio editorial é pequeno e, muitas vezes, parece fechado. Todo mundo se comunica e sabe o que está acontecendo. Também é muito importante que o agente conheça profissionais de diferentes setores de uma editora, e não só o editorial. Assim, será mais fácil entender o sistema, trocar informações e criar laços.

Ter um agente é garantia de publicação?
Sinceramente, não. Mas as chances são muito mais altas, principalmente porque as editoras confiam no trabalho do agente e sabem que as propostas vindas dele serão de textos e projetos adequados e preparados.

O pagamento é feito antes? Existe alguma taxa para agenciamento?
Pelo agenciamento literário, o agente recebe em cima da porcentagem que o autor receberá dos direitos autorais das vendas dos livros. Não costuma-se pagar nada antes, a não ser serviços extras, como leitura crítica, revisão, coaching, tradução, versão e/ou assessoria. Depende do acordo que será estabelecido com o autor.

A publicação

Quanto tempo leva para escrever um livro? E editar?
Tempo é algo relativo, né? Cada pessoa é de um jeito. Mas o projeto de um livro, envolvendo escrita, revisão e edição, vai de três meses a um ano. E ler pode dar a falsa impressão de ser um trabalho rápido, mas quando se lê prestando atenção na revisão – procurando furos, editando e cortando cenas e personagens, alterando capítulos etc. -, esse processo é demorado. Afinal, a pressa é inimiga da perfeição – desde que não estoure o prazo!

Quanto o autor recebe pelo seu livro?
O valor de mercado de direito autoral é de 10% do preço de capa. Contudo, existem contratos que oferecem de 8 a 15%, depende do projeto e do peso do autor. Infelizmente é pouco, e muita gente acha injusto. Mas é preciso considerar que as livrarias e lojas vendedoras retêm de 40 a 60% do preço de capa, dependendo do acordo que possuem com as editoras. As distribuidoras, que são responsáveis por levar os livros até as lojas, ficam com 10 a 20%. E o restante é o pagamento da editora.
Em uma conta rápida, se o livro custa R$30,00, o autor receberá R$3,00 por cada exemplar vendido.

O que é preço de capa?
O preço de capa é o valor do livro estipulado pela editora, levando em conta todos os custos de produção e edição. É o preço que as livrarias utilizam nas vendas, porém, cada loja determina se fará descontos ou não. Por isso, muitas vezes vemos um livro anunciado, por exemplo, de R$30,00 (preço de capa) por R$22,00 (preço com desconto feito pela loja).

A profissão

Quero ser um agente literário, como posso fazer?
Você pode estagiar ou trabalhar em uma agência ou com um agente literário, como também pode começar a criar sua rede de contato com profissionais da área. Ir em lançamentos, se aproximar de autores, estudar o mercado editorial, acompanhar as tendências literárias nacionais e internacionais e, principalmente, começar a ler livros com olhar crítico. Escrever resenhas é um ótimo treino para ser um bom parecerista, ou seja, aprender a avaliar o texto.

Quais cursos preciso estudar para ser um agente?
Não existe um curso específico e, por lógica, muitos agentes literários fazem Comunicação Social, Produção Editorial e/ou Letras. Mas, na verdade, se o agente construir um forte networking, estudar o meio editorial e ter faro e conhecimento para trabalhar com autores e livros, ele pode ter estudado basicamente qualquer coisa. Porém, é fundamental o conhecimento de como o mercado editorial funciona.

Vocês aceitam currículo? Estão contratando?
Muita gente nos pergunta sobre vagas e oportunidades de trabalho na agência, o que por um lado é muito bom, pois demonstra o aumento do interesse na profissão. Contudo, no momento não estamos contratando. Quando a agência tiver disponibilidade, iremos anunciar em nossas redes sociais e no blog.

O contrato

Sempre aconselhamos o autor a não fechar contrato com editoras sem assistência jurídica e de agenciamento literário, porém, muitos nos perguntam sobre os pontos mais importantes que precisam de atenção ao assinar a publicação de um livro. Reunimos alguns aqui:

*Se o autor não está fazendo auto-publicação e nem contratando uma editora sob demanda, não pague a empresa para publicar o seu livro. Afinal, a proposta de ter uma editora é escolher a melhor casa para trabalhar e publicar o texto.

*Tenha muita atenção em cláusulas de exclusividade. Nenhum autor precisa prender a carreira a uma empresa.

*Perceba se a editora se compromete a colocar nas próximas reimpressões o número da tiragem. Dessa forma, o autor poderá saber quando o seu livro foi reimpresso e terá melhor controle.

*Se a tiragem inicial não estiver especificada no contrato, pela lei é obrigatório que seja de dois mil exemplares.

*Pela lei de direito autoral, depois de assinado o contrato, a editora tem até 24 meses para publicar o livro.

*A editora contrata a cessão de direitos autorais e edição da obra, então não cabe a ela negociar e obter lucro sobre outros tipos de produções, como audiovisual, teatro, performance etc.

*Caso a editora faça uma proposta de marketing, divulgação e viagens, verifique se a mesma se encontra acordada no contrato. Assim o autor poderá cobrar o que lhe foi prometido.

*O contrato precisa estar claro sobre a publicação do livro também no formato eletrônico e o valor do direito autoral ganho.

*O autor precisa estar ciente entre a diferença de preço de capa e preço líquido sobre o direito autoral.

*O melhor contrato é aquele que atende e protege tanto o autor quanto a editora, é preciso ter confiança para que se possa firmar uma parceria. Então, mesmo que o autor queira ter opinião e decidir questões de design, diagramação, título, divulgação etc., ele precisa levar em conta a experiência e a competência da editora que está responsável por sua publicação. Mesmo assim converse com a editora e veja o quanto da sua opinião será levada em conta durante o processo de edição e faça valê-la no contrato.

Tenha acesso à lei nº9.610 integralmente aqui.